24.3 C
Pedreiras
terça-feira, abril 16, 2024

Manifestantes organizam ato contra reajuste salarial de vereadores

Eles foram para a rua!  – Quem? – O povo. Ou uma pequena parte dele.

Após a repercussão do aumento salarial dos (as) futuros (as) vereadores (as) que ocuparão o cargo em 2021, votado pela câmara de vereadores de Pedreiras, Maranhão, na última sexta-feira (04), em uma sessão não transmitida para a população, muitos questionamentos e mensagens de revolta movimentaram as discussões nos grupos de WhatsApp e na mídia local. Mas foi durante a manhã desta quinta-feira (10) que manifestantes levaram o debate para as ruas, ocupando a Praça Corrêa de Araújo e abrindo espaço para diálogos, como forma de protesto.

Além do reajuste de 25%, em meio à crise pandêmica, a população questiona a falta de transparência durante a sessão que impossibilitou aos pedreirenses tomar conhecimento a tempo sobre o assunto pautado, naquela sexta-feira (04) de manhã. “Quando fazem na “calada da noite”, no meu pensar, é porque não é uma coisa legal, porque se a população tivesse conhecimento iriam se manifestar e ir à câmara, pois é um absurdo”, ressaltou Francisco Paulo de Melo, pedreirense que parou para acompanhar o ato.

 A mobilização desta manhã contou com a organização da Liga das Mulheres de Pedreiras, Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB), Associação em Áreas de Assentamento no Estado do Maranhão (ASSEMA), Sindicado dos Professores do Estado do Maranhão (SIMPROESSEMA), Centro de Recuperação Santa Maria Madalena (CRESMAM), Centro de Consciência Negra de Pedreiras e região do Médio Mearim, Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Pedreiras (SINDSERPE) e o Conselho Municipal de Políticas Culturais.

A presidente do SINDSERP, Ana Roberta Alves Teixeira, pontuou o objetivo do movimento. “Após termos conhecimento desse aumento, que nós entendemos como um absurdo e desproporcional para o momento em que estamos vivenciando, sentamos em uma reunião, com várias pessoas e decidimos fazer. A cidade de Pedreiras, acredito, que a sua maioria, não ficou satisfeita, mas nós precisamos sair do nosso comodismo, da nossa área de conforto, pra que a gente possa fazer o nosso repúdio, a nossa manifestação”, ressaltou Ana Roberta, Presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Pedreiras

Presidente do SINDSERP, Ana Roberta Alves Teixeira (Foto: Mayrla Frazão)

Apesar da significativa quantidade de entidades envolvidas na organização deste dia, o número de atuantes que marcaram presença foi bem reduzido. Segundo a manifestante Lua Castro, ir às ruas é um processo e incentivar é o caminho. “A gente sabe que o movimento funciona mais em redes sociais e em mídias. Poucas pessoas têm coragem de vir às ruas falar, mesmo estando insatisfeitas. Por isso convidamos as pessoas, incentivamos através da nossa luta para levar a militância para além das redes sociais”, ressaltou Lua.

Além de levantar vozes contra o reajuste, o manifesto ecoou, aos quatro cantos da Praça Corrêa de Araújo, a notícia do possível aumento salarial dos (as) vereadores (as), surpreendendo algumas pessoas que passavam pelo local, como o senhor Jocimarley Calisto, que tomou conhecimento da informação nesta manhã (10). “É realmente um aumento muito alto, não acho isso conveniente”, expressou Jocimarley.

Ouvintes do manifesto na praça Corrêa de Araújo (Foto: Mayrla Frazão)

O manifesto desta manhã teve início no programa Tribuna 101, tendo como representante a presidente do SINDSERP, Ana Roberta. Logo após, se estendeu à Praça Corrêa de Araújo. Segundo a organização do movimento, está previsto para amanhã, mais um ato, desta vez na câmara de vereadores, mas isso só ocorrerá mediante o posicionamento do prefeito Antônio França sobre o caso, que deve sentar com o movimento. É que de acordo com o apurado o Projeto de Lei N° 017, que fixa os subsídios e as diárias dos Vereadores do Município de Pedreiras, para o exercício 2021 a 2024, já se acha entregue a Antônio França, prefeito de Pedreiras, cabendo-lhe sancionar ou não. Caso sua decisão seja a de não seccionar, a PL N° 017 voltará para a Câmara de Vereadores de Pedreiras e a julgar do resultado da votação, será facilmente sancionada.

Há pouco o movimento realizou o que deveria ter sido um encontro com os vereadores reeleitos e eleitos, que de fato receberão o subsídio reajustado. Todos, de acordo com o movimento, foram convidados, como provam os documentos, mas somente o vereador eleito, Neguim Silva compareceu. O movimento gostaria de ouvir dos futuros legisladores municipais o entendimento de cada um sobre o reajuste.

Enquanto isso, distante do caos e da revolta, encontra-se o presidente da câmara de Vereadores, Bruno Curvina, que segundo informações “não irá presidir a sessão de amanhã porque está viajando”, com sua família. “ Iniciando as comemorações”, ressaltou sua esposa Joyci Curvina, há 5h, em uma publicação na sua rede social do Instagram.

Por: Mayrla Frazão

- Publicidade -spot_img
Colabore com o nosso trabalho via Pix: (99) 982111633spot_img
Mayrla Frazão
Mayrla Frazãohttps://www.opedreirense.com.br
Jornalista - Centro Universitário de Ciências e Tecnologia do Maranhão (UniFacema)
- Publicidade -spot_img

Recentes

- Publicidade -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Notícias relacionadas