24.3 C
Pedreiras
terça-feira, abril 16, 2024

Em Timon as marcas do Brasil que odeia travestis

Paulinha tinha 31 anos, era travesti e foi brutalmente assassinada, neste domingo (23) na cidade maranhense de Timon. Espancamentos, pedradas e facadas foram os sinais deixados, em seu corpo, próximo à Praça Higino Cunha, não por acaso, no centro da cidade.

Segundo o jornal O Globo: “O Departamento de Homicídios da Polícia Civil da cidade de Timon agora investiga o caso, com indícios de homofobia. Nos próximos dias, testemunhas e parentes serão chamados para depor. Até agora, ninguém foi preso pelo crime”.

Apesar de ser crime no Brasil, a homotransfobia é uma realidade tristemente pulsante no país. Ela abrange desde um simples torpedo “você tá solteiro?” destinado à participante Lin, que prefere ser tratada como “ela”, ao ódio consumado na violência que tirou a vida de Paulinha.

Nos últimos 20 anos, contabilizou-se mais de 5 mil mortes de pessoas representadas nas siglas LGBTQIA+. Os dados são do Observatório de Mortes Violentas de LGBTI+, feito pelos grupos Acontece Arte e Política LGBTI+ e Grupo Gay da Bahia (GGB).

Preconceito é crime. Denuncie!

- Publicidade -spot_img
Colabore com o nosso trabalho via Pix: (99) 982111633spot_img
Joaquim Cantanhêde
Joaquim Cantanhêdehttp://www.opedreirense.com.br
Jornalista formado pela Universidade Estadual do Piauí (UESPI)
- Publicidade -spot_img

Recentes

- Publicidade -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Notícias relacionadas